Início > Acelera Mente > Teste Comparativo: Honda CG 150 Titan contra Yamaha YBR 125 Factor

Teste Comparativo: Honda CG 150 Titan contra Yamaha YBR 125 Factor

 

Além da capacidade do motor, ambas se diferenciam ao primeiro olhar. A Factor encanta com seu visual esportivo e street, ressaltado pelas rodas de liga leve, disponíveis na versão ED, lembrando muito sua irmã maior YS 250 Fazer. Entre alguns motociclistas, ganhou o apelido de “mini-Fazer”. Já a rival da Honda resolveu inovar no design, com uma carenagem no farol que não agradou a todos. Inédito no Brasil, o novo desenho já recebeu alguns apelidos e muitas críticas.
Gosto à parte, ambas são as motos mais vendidas das respectivas marcas. Já no ranking de emplacamentos, a CG 150 lidera, enquanto a 125 da Yamaha ocupa a quarta posição entre as mais vendidas.
Quando o quesito é praticidade para transportar pequenos objetos, ambas se equivalem. A Honda Titan 150 conta com um gancho metálico próximo aos amortecedores traseiros. A YBR Factor também traz ganchos na alça da garupa, com o mesmo propósito. No teste prático, ambas levaram um capacete fechado no banco destinado ao carona somente com a “aranha” de fixação.
Já nos punhos de comando as rivais são contrastantes. Na Yamaha eles são semelhantes aos da sua irmã maior, a YS Fazer 250, com lampejador de farol e corta-corrente. Os comandos da Titan pararam no tempo. Os dois itens citados na concorrente inexistem na Honda, e o restante é praticamente igual ao que trazia a CG 125 Titan de 2000, exceto pela falta do botão liga/desliga do farol (agora acionado automaticamente ao se ligar o motor).

SUSPENSÕES E MOTORES

Em relação ao conforto, as suspensões — ambas de garfo telescópico na dianteira e duplo amortecedor na traseira — funcionam muito bem nas duas motocicletas, com vantagem para a Yamaha pela suavidade. Contra a marca dos três diapasões está o banco da YBR. Com uma espuma muito mole, cansa o piloto após longo tempo pilotando. No caso da Titan 150, o banco foi redesenhado e tem uma espuma mais densa e confortável.
A concepção dos motores é o grande diferencial dessas motos urbanas. As concorrentes já atendem ao Promot 3 (lei de controle de emissão de poluentes) e utilizam soluções diferentes para cumprirem a norma. A Honda inovou ao equipar sua campeã de vendas com injeção eletrônica de combustível, além de sensor de oxigênio e catalisador. A YBR 125 Factor teve seu carburador remodelado, ganhou sensor de “cut-off”, acionamento do segundo estágio a vácuo e sensor de posição do acelerador. Com essas soluções, a Factor consegue um resultado semelhante a um motor injetado, cortando o envio de combustível quando o acelerador não é acionado com a moto em movimento.
Tantas inovações têm seu preço. Os números de potência e torque reduziram na YBR; na Honda a potência continua a mesma da CG 150 carburada (a 500 rotações acima) e o par máximo diminuiu. Falando abertamente, a YBR sofre pela falta dos 25 cm³ em relação à Titan e também com as novas regras de emissão de poluentes, que obrigaram a Yamaha a instalar dois catalisadores no escapamento, deixando a Factor um tanto “amarrada”.
Nas estradas, onde a Yamaha anda “esgoelada”, ainda sobra acelerador na CG. Isso se traduz em um consumo mais alto. Rodando com ambas conseguimos médias acima de 40 km/l pilotando a CG e com a rival as médias obtidas ficaram entre 33 e 35 km/l. Ao se falar em consumo, não podemos deixar escapar o grave calcanhar-de-aquiles da nova Titan. Ela não tem torneirinha de combustível e nem luz indicadora de reserva — há somente o marcador de gasolina. Portanto, um motociclista mais distraído pode ficar a pé se não ficar atento ao nível.
Já na rival, equipada com a torneirinha de combustível, ainda há chances de chegar ao próximo posto para abastecer ao se abrir a reserva. Um item bastante útil para os distraídos.

IMPRESSÕES AO PILOTAR

Tanto YBR Factor e CG 150 Titan são ótimas motos para se pilotar na cidade: estáveis, ágeis e confortáveis. Porém, a maciez do conjunto motor/câmbio/freios e suspensões da Yamaha acaba sendo ofuscada pelo maior vigor do motor da Titan, que exige menos trocas de marchas e permite ao piloto rodar com o acelerador menos aberto.
Na hora de frear, as motocicletas apresentam freio a disco na roda dianteira (de pistão simples na Factor e duplo na Titan) e a tambor na traseira. A 125 da Yamaha mostrou reações melhores, enquanto a rival apresentou um acionamento um pouco mais “borrachudo”.
Nos trechos de curvas, vantagem novamente para o modelo Yamaha. A versão ED testada sai de fábrica com rodas de liga-leve calçadas com pneus Metzeler ME 22, sem câmara e de perfil esportivo. Itens que fazem dela uma das motos mais completas da categoria. Já a Honda peca por não equipar a CG top de linha com rodas de liga e pneus sem câmara. Suas rodas raiadas e os pneus Pirelli City Demon são de boa qualidade e dão conta do recado — mas, como se trata de modelo top e de preço mais elevado, bem que a Titan 150 poderia ter rodas mais bonitas

QUANTO CUSTAM

Por falar em preço, esse é um item muito importante nessa categoria de motos urbanas de baixa cilindrada. Se compararmos os valores divulgados pelas fábricas, a diferença entre Titan e Factor é de pouco mais de R$ 500. Porém, o preço praticado nas concessionárias das marcas na capital paulista dobra essa diferença.
Ao consultarmos as concessionárias, constatamos que a Factor apresenta larga vantagem. O valor médio cobrado pela Yamaha YBR 125 Factor ED é de R$ 6.800, enquanto a concorrente Honda CG 150 Titan está sendo vendida a R$ 7.900. Uma diferença de quase 15%, que significa parcelas mais baixas no financiamento — ou ainda uma economia para comprar equipamentos de segurança.

Fichas Técnicas

 Honda CG 150 Titan ESD

Motor: monocilíndrico, 149,2 cm³, duas válvulas por cilindro e refrigerado a ar

Diâmetro x curso: 57,3 mm x 57,84 mm

Taxa de Compressão: 9,5: 1

Potência máxima: 14,2 cv a 8.500 rpm

Torque máximo: 1,32 kgfm a 7.000 rpm

Alimentação: Injeção eletrônica PGM-FI

Câmbio: 5 marchas

Transmissão: corrente

Comprimento: 1.988 mm

Largura: 730 mm

Altura: 1.098 mm

Altura do banco: 792 mm

Distância entre eixos: 1.315 mm

Peso (a seco): 119,4 kg (versão ESD)

Tanque de gasolina: 16,1 litros

Quadro: Diamond

Suspensões: Garfo telescópico na dianteira e duplo amortecedor na traseira

Pneus: Pirelli City Demon 80/100-18 (dianteiro) e 90/90-18 (traseiro)

Freios: Disco simples de 240 mm de diâmetro com cáliper de dois pistões na dianteira (versão ESD) e tambor de 130 mm na traseira

Cores: azul metálica, prata metálica, vermelha e preta

Preço sugerido: R$ 6.990 (versão ESD)
 

Yamaha YBR 125 Factor

Motor: Monocilíndrico, 124,9 cm³ duas válvulas por cilindro, refrigerado a ar

Diâmetro x curso: 54,0 mm x 54,0 mm

Taxa de compressão: 10,0:1

Potência máxima: 11,2 cv a 8.000 rpm

Torque máximo: 1,13 kgfm a 6.000 rpm

Alimentação: Carburador Mikuni BS 25

Câmbio: 5 velocidades

Transmissão: Corrente

Comprimento: 1.980 mm

Largura: 760 mm

Altura: 1.080 mm

Altura do banco: 780 mm

Distância entre eixos: 1.290 mm

Peso (a seco): 112 kg (versão ED)

Tanque de gasolina: 13 litros

Quadro: Diamond em aço

Suspensões: Garfo telescópico com 120 mm de curso na dianteira e duplo amortecedor com 105 mm de curso na traseira

Pneus: 2.75-18 42 P Metzeler ME 22 (dianteiro) e 90/90-18 42 P Metzeler ME 22 (traseiro)

Freios: Disco simples de 245 mm na roda dianteira com cáliper de pistão simples e tambor de 130 mm de diâmetro na traseira

Cores: Azul, prata, preta e vermelha

Preço sugerido: R$ 6.585

 

Por Motokando

Editado Por Fabio Weslley

Equipe Acelera Mente

Anúncios
  1. luiz carlos
    08/05/2010 às 00:21

    ja tive 3 motos ybr. uma 2002, 2003/2005. trabalho de moto boy profissional;com minha moto 2005/ estou c/ 102,000 km e ainda nao pensei em fazer motor.rodo na media 1000 km p/ semana e nao cogito a possibilidade de trocar de marca de moto. quem anda de ybr nao quer mais andar c/ outra moto!!!
    atenciosamente!!!!!!!!!!!!!!

  2. jackson silva
    01/06/2010 às 23:50

    a factor e maravilhosa ta de parabens ,tomara que a nova factor venha com um farol mais bonito e com um bom desaign no farol

  3. Carlos Martins
    24/06/2010 às 14:17

    Estou na minha 4ª YBR,tive uma 00,01,02 essa atual 2003 está com 72 mil Km, e nunca mexi no motor,comprei ela semi nova a uns anos atrás, com 29,000km,só troquei vela uma vez, e limpei carburador, nunca precisei regular válvulas, ou mexer em correia de comando, e a moto está 100%, está fazendo 37 por litro.
    Já tive Titan foi uma boa moto comprei zero em 98, mas depois que conheci a Yamaha,não tive mais titan.
    Atualmente, estou pensando em comprar uma Factor, mas está difícil conseguir uma semi nova,NÃO TEM HA VENDA, e eu me pergunto porquê? Acho que vou ter que comprar uma 0Km.

  4. Nelzo Bizarri Junior
    01/07/2010 às 22:10

    Ja tive 3 YBR,sem duvida a melhor moto para mim,atualmente tenho uma titan 150 e me arrependo muito de ter comprado naõ tem durabilidade nenhuma,só da zica,o motor não aguenta o meu trabalho,ao contrario da YBR que dificilmente da problemas.

  5. roberto carlos
    14/07/2010 às 16:45

    nossa bando de pobre

    conte outros piadas vai essas sao muito podre

    YBR uma otima moto pra quem esta acontumado com mobilete

    • bastiao
      18/05/2011 às 09:22

      vc que esta acostumado em anda de mobilete,,,gosto é igual cú,cada um tem o seu…kkkkkkkk

  6. raimundo pc junor
    10/01/2011 às 00:38

    a yamaha deveria fazer o motor da factor egua da rd135

  7. daniel de andrea
    21/11/2011 às 18:25

    eu tenho uma ybr 125 2007 é econômica mas ela cai muito de rendimento nas subidas
    tomara que a nova factor seja diferente !!!kkkkk.

  8. Agrício
    27/04/2012 às 20:59

    A unica moto da honda até a cb 300 e xre 300 que não vaza óleo do motor é a pop, o restante em 95% delas começa a vazar, e sem falar de desempenho, a coitadinha 125 da honda não consegue chegar nen perto da factor em qualquer pista, subindo ou descendo, um amigo nos comentários cita que ela perde muito nas subidas,mande revisar sua moto principalmente o carburador,com a minha ja deixei muitos amigos de 150cc comendo poeira, claro que tem umas hondinha 150 que andam bem, mas é uma perdida porque na maioria eu ultrapasso mesmo,deixando bem claro >> só usa honda quem nunca usou uma yamaha.

  9. iolanda
    06/08/2013 às 20:56

    tenho uma ybr 2004 trabalho de dia e de noite com entregas e rapida principalmente na abertura de semaforo,vou pegar uma factor mas vou fica com ela

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: