Arquivo

Archive for setembro \22\UTC 2010

Nova linha Suzuki Bandit 650 chega em outubro

 

A nova linha Bandit 650 — nas versões N (naked) e S (semi carenada) chega ao Brasil em outubro. Apesar do atraso de quase dois anos — já que sua apresentação oficial aconteceu no final de 2008 no Salão de Motos de Milão (ITA) –, os modelos ganharam sobrevida em função do design revigorado. Na versão naked, a moto traz novo farol multifacetado e rabeta mais afilada. Já no modelo S, a parte frontal da carenagem ganhou entradas de ar sob o farol, como nos modelos esportivos da marca. A nova família Bandit 650 que chega ao país não contará com freios ABS. O preço ainda não foi divulgado, mas deve girar a partir de R$ 29.000. A nova linha Bandit estará disponível em quatro opções de cores: preta, prata, azul e vermelha.

Para brigar neste concorrido segmento formado por motos de média cilindrada, formado por Honda CB 600F Hornet, Kawasaki ER-6n, além da linha Yamaha XJ6, a nova Bandit 650 manteve sua filosofia de dupla jornada: rodar com agilidade no trânsito urbano e também ser uma boa companheira de estrada.

O responsável por este comportamento mais elástico é o motor de quatro cilindros em linha e com refrigeração líquida, que gera 85 cv de potência a 10.500 rpm e 6,27 kgf.m a 8.900 rpm. Detalhe: a base do motor é a mesma da versão anterior vendida no Brasil. O que mudou foi o acabamento, agora em preto.

O propulsor da Bandit 650 foi projetado para oferecer um bom equilíbrio entre potência e torque, mesmo em baixos e médios giros. Com duplo comando no cabeçote (DOHC) e 656 cm³ de capacidade cúbica, o motor conta com uma central de gerenciamento eletrônico (ECU) e sistema de injeção eletrônica de combustível digital com dupla válvula de borboleta, que garante respostas rápidas e um melhor aproveitamento do combustível.

CICLÍSTICA E PAINEL DE INSTRUMENTOS
Se o motor é a alma de qualquer motocicleta, o conjunto ciclístico e o design são o corpo e, consequentemente, a beleza estética, traduzida pela simetria de formas e design agressivo. Construída sobre um chassi dupla trave confeccionado em aço, a nova Bandit 650 traz suspensão telescópica tradicional e monoamortecedor na parte traseira. Ambas as suspensões possuem regulagem de pré-carga e retorno da mola. Para ajudar no trabalho de copiar as imperfeições do piso, a Bandit está equipada com rodas de liga leve de 17 polegadas, calçadas com pneus de perfil esportivo.

Com relação ao sistema de freios, as duas versões contam com disco em ambas as rodas. Na dianteira disco duplo flutuante de 310 mm de diâmetro, “mordidos” por pinças de quatro pistões. Já na traseira, disco simples de 240 mm de diâmetro e pinça de duplo pistão. Na Europa há versões disponíveis com sistema de freio ABS. Infelizmente, o Brasil só receberá modelos básicos, sem o dispositivo de segurança.

A nova Bandit 650 N recebeu um farol multifacetado e um completo painel de instrumentos com marcadores analógico e digital (LCD), que oferecem várias informações: rpms, velocidade, hodômetro, marcador de combustível, indicador de marcha, relógio, e luzes-espia (neutro, temperatura do óleo e da água e farol alto).

Para uma maior harmornização entre os elementos da dianteira, a versão N ganhou também uma nova capa lateral, estrategicamente posicionada entre a coluna de direção e o tanque. Aliás, o compartimento de combustível tem capacidade para 19 litros, que confere a moto uma boa autonomia. Já a Bandit 650 S conta com a proteção e o conforto do para brisa, que protege o piloto da fuligem, de pedriscos, de insetos, do vento e da chuva

Por Portal UOL

Editado Por Fabio Weslley

www.aceleramente.wordpress.com

Acessem o melhor site de eventos www.seligaregiao.com.br

Dafra lança o maxiscooter Citycom 300i por R$ 12.290

 

Para uma empresa ampliar sua participação no mercado, independente do segmento de atuação, atender às necessidades de seus consumidores com agilidade é fundamental. Seguindo esta premissa, a Dafra Motos acredita que há um potencial nicho formado por donos de scooter que querem um veículo de maior capacidade, porém sem sair do segmento. Atualmente existe uma lacuna entre os scooter até 150 cm3, na faixa dos R$ 6.000, e os scooters acima de 400 cm3, que custam a partir de R$ 26.900. É justamente nesse segmento que se encaixa o novo Dafra Citycom 300i, fruto da parceria com a taiwanesa SYM (Sanyang Industry) e que tem preço sugerido de R$ 12.290.

FICHA TÉCNICA: DAFRA CITYCOM 300i

Motor: OHC, 263,7 cm³, monocilíndrico, quatro válvulas, injeção eletrônica e refrigeração líquida.
Potência máxima: 23 cv a 7.500 rpm.
Torque máximo: 2,44 kgfm a 5.500 rpm.
Transmissão: Câmbio do tipo CVT.
Suspensão: Amortecedores telescópicos, com 100 mm de curso na dianteira; Bichoque, com 91 mm de curso na traseira.
Freios: Disco simples com pinça de pistão duplo (dianteiro); Disco simples com pinça de pistão duplo (traseiro).
Dimensões: 2.210 mm de comprimento, 785 mm de largura e 1.445 mm de altura. Entre-eixos 1.500 mm, altura do assento de 800 mm e 125 mm de altura mínima para o solo.
Peso: 182 kg.

Segundo o presidente da Dafra, Creso Franco, “estava na hora do Brasil ter um maxiscooter urbano”. O executivo foi taxativo ao afirmar que o preço é um dos principais atrativos do modelo que, segundo Creso, não tem nenhum concorrente direto. É verdade que existe no país o Piaggio Beverly 300, porém o modelo é importado e custa R$ 23.800. Ou seja, quase o dobro do novo scooter Dafra.

Primeiro scooter de 300 cm3 da marca, o Citycom já é vendido no continente europeu há mais de três anos. Para atender aos anseios do consumidor brasileiro o modelo passou por vários testes e avaliações dinâmicas, que duraram mais de um ano. O scooter também rodou por mais de 150 mil quilômetros por estradas nacionais. As principais mudanças para a tropicalização no maxiscooter da Dafra aconteceram no aumento da capacidade de arrefecimento, melhora no sistema de freios e adequação da injeção ao nosso combustível. Apesar do numeral “300” no nome, o Citycom tem 263,7 cm³ de capacidade cúbica. O propulsor monocilíndrico de quatro válvulas tem bom desempenho: 23 cv a 7.500 rpm e 2,44 kgfm de torque a 5500 rpm. Outro destaque é a transmissão automática CVT, sinônimo de praticidade e agilidade.

A VIDA EM PARCERIA

Para quem não se lembra a Dafra Motos abriu suas portas em 2008, porém parece que marca está no mercado brasileiro há mais tempo. Novos modelos são apresentados com bastante freqüência e as parcerias globais crescem na mesma proporção. Depois de fazer acordos comerciais com a chinesa Haojue, a indiana TVS Motor Company e a alemã BMW Motorrad, agora a empresa divulgou nova parceria com a taiwanesa SYM (Sanyang Industry). Além disso, a parceira também tem como objetivo o intercâmbio de tecnologias, pesquisas e desenvolvimento. O Citycom 300i será montado na fábrica da Dafra em Manaus (AM) por meio do processo CKD. O scooter terá três opções de cores — preto fosco, azul e branco — e o preço sugerido é de R$ 12.290.

Jim Hong, diretor da divisão de marketing da SYM, que participou da coletiva de imprensa no Brasil, disse que o Citycom “foi feito para o uso urbano e para viagens de curta ou média distância”. A grande bolha frontal e o banco largo mostram que conforto não vai faltar. Os pés do piloto ficam protegidos pelo assoalho, enquanto o garupa conta com pedaleiras retráteis, como no Honda Lead 110. Os comandos e a chave de ignição do tipo shutter-key (sistema antifurto) é similar ao usado no Smart 125, o scooter de pequeno porte da Dafra.

A injeção eletrônica, a bomba de combustível e o corpo de borboleta são da marca Keihin. Com isso as taxas de emissões são mais que suficientes para atender à legislação, inclusive o modelo conta também com sensor de oxigênio (a tal sonda lambda). Completam o pacote o design moderno, freio a disco em ambas as rodas, com aros de 16 polegadas e calçadas com pneus de perfil esportivo. (por Lucas Rizzollo)

IMPRESSÕES DE PILOTAGEM
Dafra Citycom300i

Ao ligar e acelerar pela primeira vez, o Citycom 300i ganha velocidade rapidamente e sem muito esforço ou ruído. Com a transmissão automática CVT basta se acomodar, ligar o scooter e acelerar. Todo o teste foi feito em um circuito fechado, no autódromo da Fazenda Capuava, em Indaiatuba (SP), que conta com muitas curvas e, consequentemente, vários pontos de frenagem.

Os freios a disco nas duas rodas, equipados com aeroquip (mangueiras de malha de aço), se mostraram eficientes e adequados ao peso do Citycom. Os pneus da Metzeler permitem inclinar sem problemas até o apoio central raspar no chão. Em uma reta com subida o modelo não teve dificuldades para chegar aos 110km/h antes da frenagem para entrar na próxima curva.

O conjunto de suspensão se comportou bem, apesar de pouco exigido. O banco do piloto tem um útil apoio lombar e a garupa conta com espaço confortável. No porta-objetos do escudo frontal ainda existe uma tomada de 12V para carregar o celular ou até mesmo um GPS. Sob o banco é possível acomodar um capacete fechado, além de jaqueta, luvas, óculos etc

 

Por Portal UOL

Editado Por Fabio Weslley

www.aceleramente.wordpress.com

Acessem o melhor site de eventos www.seligaregiao.com.br

Honda lança edição especial da Lead 110

 

A Honda lança a Lead 110 Special Edition, uma série especial de sua scooter com novo visual “two tone”, que representa a tendência da combinação de duas tonalidades diferentes. A versão de cor preta apresenta detalhes em vermelho e a versão cinza metálica com detalhes em prata. Seu preço sugerido é mais baixo – passou de R$ 6.062,00 para R$ 5.650,00

A Honda lança a Lead 110 Special Edition, uma série especial de sua scooter com novo visual “two tone”, que representa a tendência da combinação de duas tonalidades diferentes. A versão de cor preta apresenta detalhes em vermelho e a versão cinza metálica com detalhes em prata. Seu preço sugerido é mais baixo – passou de R$ 6.062,00 para R$ 5.650,00

A Lead 110 Special Edition: preço sugerido de R$ 5.650

O tanque de combustível, com capacidade para armazenar 6,5 litros (com reserva de 1,8 litro), está instalado sob a plataforma sobre a qual o piloto apóia seus pés. O acesso é facilitado devido ao bocal externo, protegido por capa e tampa com chave, o que é bem prático. Lançada em junho do ano passado, a Lead 110 acaba de atingir a marca de 1 milhão de unidades vendidas, com 53% de participação de mercado, somando mais de 18 mil unidades comercializadas até o mês passado.

Por Portal UOL

Editado Por Fabio Weslley

www.aceleramente.wordpress.com

Acessem o melhor site de eventos www.seligaregiao.com.br

Com freios ABS, Honda CBR 600RR é divertida e segura

 

Em 2009 a Honda apresentou a CBR 1000RR Fireblade equipada com sistema de freios (C-ABS) controlados eletronicamente, e uma dúvida surgiu. Será que o sistema funcionaria com êxito em uma moto mais “racing”? O tempo trouxe uma resposta positiva e outro questionamento: por que não equipar a CBR 600RR com o C-ABS?

Com o lançamento da linha 2010 veio a boa surpresa, chegou a vez da CBR 600RR oferecer o sistema de freios de alto desempenho no Brasil. Bom para os fãs da categoria 600 cm³. A leveza e facilidade de pilotagem agora estão alinhadas com um dos mais avançados sistemas de frenagem.

Assim como aconteceu com a Fireblade, o sistema de freios C-ABS só está disponível no País na cor mais tímida do modelo 2010: toda preta. As outras opções de cores — vermelha e branca perolizada — não têm o opcional. Com o moderno sistema de freios, a CBR 600RR fica R$ 3.000 mais cara — R$ 50 mil –, 10 kg mais pesada, porém 100% mais segura.

FICHA TÉCNICA: HONDA CBR 600RR C-ABS

Motor: DOHC, quatro tempos, 599 cm³, quatro cilindros, refrigeração líquida.
Potência máxima: 120 cv a 13.500 rpm.
Torque máximo: 6,73 kgfm a 11.250 rpm.
Transmissão: Câmbio de seis velocidades, com transmissão final por corrente.
Suspensão: Amortecedores telescópicos invertidos (upside-down), com 120 mm de curso e totalmente regulável na dianteira; balança com monoamortecedor do tipo pró-link, com 129 mm de curso e totalmente regulável na traseira.
Freios: Disco duplo flutuante de 310 mm com C-ABS (dianteiro); Disco simples com 220 mm e C-ABS (traseiro).
Dimensões: 2.010 mm de comprimento, 685 mm de largura e 1.105 mm de altura. Entre-eixos 1.375 mm, altura do assento de 820 mm e 135 mm de altura mínima para o solo.
Peso: 179 kg.

AMOR À PRIMEIRA FREADA
Um dos momentos mais marcantes de quem compra uma motocicleta é a primeira volta. Na hora de testar a CBR 600 RR 2010 não foi diferente e durante o percurso levei uma bela fechada de um caminhão. Aperto os freios com vontade e a moto para antes mesmo do esperado. Acelero novamente e freio usando apenas o pedal e nada da roda traseira travar. Passei o dia todo tentando encontrar uma falha, freando em asfalto molhado, ruas com areia e até em manchas de óleo, e não consegui encontrar nenhum problema de funcionamento no sistema eletrônico que controla os freios combinados e com ABS (sistema antibloqueio). Em todas as situações, as frenagens foram seguras e eficientes.

Além de impedir que as rodas travem, o sistema distribui a força da frenagem entre as rodas. Caso você pise no pedal de freio traseiro com muita intensidade, o módulo eletrônico central (ECM) distribui essa força também para a dianteira. As primeiras motocicletas equipadas com esse sistema tinham um funcionamento impreciso. Os comandos dos freios apresentavam uma trepidação e em certos momentos parecia que o sistema ficava indeciso. Porém a tecnologia e a eletrônica sanaram todos os problemas. Não existe qualquer trepidação ou atraso no sistema desta Honda de 600 cm³. Sabendo que poderá usar com facilidade todo o potencial de frenagem da moto, a sensação de segurança é ainda maior.

CADA VEZ MAIS EQUIPADA
As motos esportivas estão cada vez mais leves e potentes. Até aí nenhuma novidade, porém o número de equipamentos de segurança também está crescendo. Depois do sistema C-ABS outro item muito útil, e que já estava presente em versões anteriores, é o amortecedor de direção Heds (Honda Electronic Steering Damper). O sistema elétrico atua controlando a firmeza do guidão conforme a velocidade da moto. Seja para acelerar a mais de 250 km/h em um autódromo ou ao passar em um buraco a 120 km/h, ele pode literalmente salvar a sua pele.

Outro sistema útil e com o nome longo é o Hiss (Honda Ignition Security System). Ele consiste em um chip codificado na chave que impede o acionamento do motor. Se algum gatuno tentar ligar a moto sem usar a chave original o sistema bloqueia a ignição.

PELA ESTRADA
Se na cidade a CBR 600 mais parece uma Ferrari em um kartódromo, na estrada é possível curtir melhor o seu potencial. Durante uma rápida viagem até Socorro (SP) foi possível conhecer outras qualidades da moto. Rodando a 120 km/h o poderoso motor está apenas a 6.500 rpm, e olha que a faixa vermelha começa só aos 15.000 rpm. A proteção aerodinâmica é muito eficiente e nesse ritmo de viagem o consumo superou os 18 km/l com facilidade. E o tanque com capacidade para 18 litros de combustível permite um número menor de abastecimentos.

O painel conta, além dos recursos tradicionais para a categoria, com marcador de combustível digital e relógio e dá até para fazer inveja para seu amigo com esportiva de 1000 cm3. Os faróis iluminam muito bem, mas causa certo estranhamento apenas um dos lados ficar aceso no farol normal. A outra lâmpada funciona apenas no farol alto. Nas curvas da estrada foi possível conhecer o potencial da moto, uma combinação incrível de 120 cv a 13.500 rpm com 6,73 kgfm a 11.250 rpm e 179 kg. Em pouco tempo eu já estava de volta à minha casa, com saudade da moto e das curvas de Socorro (SP)

Por Portal UOL

Editado Por Fabio Weslley

www.aceleramente.wordpress.com

Acessem o melhor site de Eventos www.seligaregiao.com.br 

 

Kawasaki W800 visa resgatar outras épocas

A Kawasaki está prestes a revelar uma substituta para a W650, produzida até 2006, que era uma réplica da clássica Triumph Bonneville. A nova moto será chamada de W800 e terá um quadro bem similar, mas trará freio a disco na traseira e potência em torno de 60 cv.

A W650 original sempre foi popular entre os preparadores, especialmente os japoneses, mas foi sempre dificultada por seu motor twin paralelo de 49 cv. A Kawasaki não revela quanto será pedido pela W800. Na década de 70, o legendário modelo Triumph Bonneville tinha concorrentes de peso como Moto Guzzi V7 e Ducati GT

 Por Portal UOL

Editado Por Fabio Weslley

www.aceleramente.wordpress.com

Acessem o melhor site de Eventos www.seligaregiao.com.br

Em mais um capítulo sobre a crise do Grupo Izzo, desta vez é a Triumph que lança nota oficial procurando acalmar consumidores brasileiros.

Eng. Cesar M. Delima – Óleo Nível Moto Clube

Em mais um capítulo sobre a crise do Grupo Izzo, desta vez é a Triumph que lança nota oficial procurando acalmar consumidores brasileiros.

No site oficial da Triumph, consta recente nota sobre o atendimento de vendas, serviços e peças para os serviços da empresa, sem fazer qualquer alusão ao Grupo Izzo, distribuidor da marca no Brasil. Segue íntegra da nota abaixo:

A Triumph informa aos clientes brasileiros das motocicletas Triumph que estamos comprometidos em continuar a fornecer nossos produtos e a prestar serviços em relação aos produtos vendidos por nosso distribuidor brasileiro.

A Triumph está, neste momento, discutindo alternativas para, tão logo possível, voltar a fornecer peças e a prestar serviços, e manteremos os clientes informados sobre os próximos passos.

A Triumph espera poder resolver, adequadamente, qualquer problema temporário que os clientes de nossos produtos possam estar enfrentando, tão logo estejamos aptos a voltar a prestar serviços e fornecer peças no Brasil.

Caso possua algum problema, favor nos contatar mediante +44 1455 251700.

Fonte: Sobre Motos

Editor Cesar M. Delima

Yamaha R6 2011 é adiada

 

Os fanáticos por motos superesportivas que aguardavam anciosamente uma novíssima Yamaha R6 2011 estão sendo informados que terão de esperar mais um ano. Isso porque a fabricante japonesa não pretende dar a motocicleta apenas um pequeno face-lift, como tem feito desde que ela foi lançada em 2006, e sim construir uma moto totalmente nova que incorpore as últimas tecnologias usadas na MotoGP.

Entre as novidades previstas para 2012, quando a nova R6 deve provavelmente debutar, estão um novo chassis, motor e carroceria imitando as motos usadas por Valentino Rossi e Jorge Lorenzo. Outras novidades devem ser ainda os YCC-T – sistema de controle eletrônico do escapamento – e o YCC-I – sistema de aspiração variável

Por Portal UOL

Editado Por Fabio Weslley

www.aceleramente.wordpress.com

Acessem o melhor site de eventos www.seligaregao.com.br

APOIO

www.seligaregiao.com.br