Archive

Arquivo por Autor

Comparativo (modelos 2010) – Honda Biz 125 Vs. Yamaha Crypton T115

A pedido de um leitor  resolvemos buscar mais e mais informações sobre cada uma dessas motonetas, e compara-las.

Yamaha Crypton T115

A maior novidade da Yamaha Crypton, em relação a versão que era vendida até o inicio de 2005, está no motor de 113,7 cc de cilindrada, a mesmo do motor do scooter Neo. Esse motor, com cilindro e pistão em alumínio, é maior e mais potente que o motor anterior, que tinha cilindrada de apenas 101,8 cc. Com essa mudança, a potência máxima passa a ser de 8,2 cv a 7.500 rpm e o torque máximo de 0,88 kgfm a 5.500 rpm. Apesar de ser mantido o carburador, os índices de emissões estão bastante abaixo dos valores máximos determinados pelo Promot 3, graças a tecnologias como catalisador, Sistema de Indução de Ar e o próprio desenvolvimento desse novo propulsor. O câmbio tem quatro marchas com alavanca acionada pelo pé esquerdo e a embreagem é automática.

Muitas são as inovações da nova Yamaha Crypton, a começar pelo novo quadro tubular de aço de alta tensão tipo underbone, pelos conjuntos óticos dianteiro e traseiro, reestilizados, pelo novo mostrador do velocímetro de acionamento mecânico no painel de instrumentos e novos e freios e suspensões – Kayaba dianteira de 100 mm de curso.

Junto do velocímetro está o marcador analógico de nível de combustível de alta precisão (indica reserva com 645 ml de combustível no tanque, que tem capacidade para 4,2 litros) e as luzes espias, entre elas a “Top”, que mostra engrenamento da quarta e última marcha. Os comandos elétricos dos punhos do guidão também são novos, com mais ergonomia e facilidade de utilização.

A Yamaha Crypton tem rodas raiadas de 17 polegadas de diâmetro, suspensão dianteira telescópica conta com garfo de 26 mm de diâmetro e um porta-objetos de 4,0 litros de capacidade embaixo do banco. Há uma versão com partida a pedal e freio dianteiro a tambor de 110 mm (K) e uma versão com partida elétrica e freio dianteiro a disco de 220 mm (ED), em ambas o tambor traseiro tem 130 mm de diâmetro. As cores disponíveis são o prata, o vermelho e o preto.

Entre as principais vantagens da Yamaha Crypton estão a facilidade de pilotagem e a praticidade para o uso diário, o preço acessível, tanto de aquisição como de manutenção, e a economia de combustível. O público alvo do Crypton são jovens urbanos de ambos os sexos que buscam um veículo utilitário para substituir o transporte público, às vezes precário em grandes cidades, mas existe uma demanda também em zonas rurais e pequenas cidades cujo tráfego é mais tranquilo. Na maioria dos casos esses jovens estão comprando seu primeiro veículo de duas rodas.

A T115 Crypton chega para o público com o preço sugerido pelo posto Manaus de R$ 4.550,00 na versão “K” e R$ 5.200,00 na Crypton “ED”. Os produtos Yamaha tem um ano de garantia, sem limite de quilometragem.

Principais características
– Acessibilidade (entrada ao mundo das duas rodas)
– Qualidade e Confiabilidade Yamaha
– Design, beleza  e acabamento exclusivos.
– Pilotagem Simples para uso na cidade – estável, segura e confortável.
– Facilidade de Manutenção.
– Baixo consumo de combustível.
– Motor quatro tempos de 115cc, 1 cilindro, duas válvulas, OHC
– Potência: 8,2 cv a 7.500 rpm
– Torque:  0,88 Kgf.m a 5500 rpm
– Câmbio semi automático de 4 velocidades
– Versões K e ED (Freio a Disco de 220mm e Partida Elétrica e a pedal)
– Chassi Underbone
– Porta objetos sob o banco (4 litros)
– Painel completo com:
– marcador de combustível,
– velocímetro,
– hodômetro e
– luzes espia incluindo indicador de ponto morto, pisca, indicador de 4ª marcha e luz de anomalia no circuito elétrico do motor.
– Comandos Completos no punho
– Rodas de 17 polegadas
– Freio traseiro a tambor de 130 mm
– Assento Confortável e Macio para as vias brasileiras
– Cavalete Central
– Componentes posicionados para fácil manutenção da motocicleta
– Sistema de indução de ar
– Suspensão dianteira Kayaba com curso de 100 mm.

Honda Biz 125

A  Honda Biz vem equipada com um motor OHC 125 com injeção eletrônica, que lhe permite uma resposta mais rápida e menos gastos de combustível. O painel apresenta um marcador de combustível, hodómetro e luz indicadora da injecção eletrônica. Abaixo do guidão agora tem um gancho que segundo a montadora é um porta sacolas,e como é de lei na biz o  porta objetos mantêm-se inalterado, ou seja, continua a permitir guardar o capacete, uma funcionalidade muito importante , dando assim mais liberdade ao motociclista que desse modo não necessita de ficar levando o capacete para todo o lado,na biz pode se colocar até 2 capacetes, lógico que não no compartimento, mas sim no ganchinho de metal que fica abaixo do banco. A nova Honda Biz apresenta ainda uma carenagem frontal dando assim mais segurança ao piloto.  O assento permite fazer um ajuste em dois níveis.

Com este modelo, a Honda consolidará a sua posição de marca que mais motos vende em quase todas as categorias.

FICHA TÉCNICA

Honda Biz 125 Fuel Injection
Motor: OHC, monocilíndrico, 4 tempos, arrefecido a ar.
Cilindrada: 124,9 cc.
Potência: 9,1 CV a 7.500 rpm.
Torque: 1,06 kgfm a 3.500 rpm.
Diâmetro e Curso: 52,4 mm x 57,9 mm.
Alimentação: Injeção Eletrônica PGM-FI.
Taxa de Compressão: 9,3:1.
Partida: pedal (KS) e elétrica (ES e +); ignição eletrônica.
Tanque: 4,0 litros.
Transmissão: 4 velocidades, com embreagem centrífuga automática.
Suspensão:
Dianteira:Garfo telescópico.
Traseira:Braço oscilante.
Freios:
Dianteiro: A tambor de 130 mm (KS e ES); a disco de 220 mm (+).
Traseiro: A tambor de 110 mm.
Pneus e rodas:
Dianteiros: 60/100 – 17M/C 33L.
Traseiros: 80/100 – 14M/C 49L.
Chassi: Monobloco.
Dimensões: 1.880 mm (comprimento) x 726 (largura) x 1.075 mm (altura); 1.261 mm (entreeixos), 755 mm (altura do assento) e 133 mm (distância mínimia do solo).
Peso: 98 kg (KS), 100 kg (ES) e 101 kg (+).
Cores: amarela, preta, prata metálica e vermelha metálica (KS e ES), vermelha e cinza metálica (+).
Preço sugerido: R$ R$ 5.147 (KS), R$ 5.854 (ES) e R$ 6.480 (+).

Mas qual comprar?

Temos que levar em consideração que ambas são super economica e os tanques são praticamente iguais na capacidade e com muito pouco de dinheiro enche o tanque.

Dirigibilidade e desempenho elas na cidade são boas,só lembrando que não se deve fazer curvas muito deitadas ou passar entre sargeta e osbtaculo alto e estreitos com elas, pois há possibilidade de ir pro chão, isso principalmente na biz por ser um pouco mais baixa,com a alta velocidade e muito vento ou até mesmo veiculos pesados andando perto, é possivel que perca um pouco mais de estabilidade pois elas são relativamente leves, principalmente a crypton mais leve e mais alta devido ao aro 17″.

Design uns falam que a crypton é mais bonita e bem feita que a biz, outro falam que não,mas isso é uma questão de gosto,eu particularmente acho a biz atraente…mas convenhamos que a yamaha podia ter deixado a crypton um pouco mais moderna e interessante como a neo, acredito que a intenção da crypton é conquistar os seus donos pelo bolso e economia e por isso não resolveram apostar tanto no visual.

Continuando em design a crypton bem que podia trazer compartimento maior, no lugar do porta “luva e carteira” embaixo do banco ao lado do tanque, como um editor referiu em sua postagem sobre a crypton.Na biz desde o inicio veem o porta capacete que para seus usuarios caem como uma “luva” para  o capacete ou capa de chuva, ou qualquer coisa que não exceda os 10kg de capacidade que ela suporta.além do porta capacete da biz,embaixo do banco existe um gancho onde se pode colocar outro capacete encaixado.

Iluminação da lanterna traseira da crypton são pequenas e fica um pouco escondida,podendo não ser percebida de longe por quem vier atras, na biz o farol fica um pouco a desejar, pois não ilumina como se deveria na estrada.

Manutenção, acredito que ambas não de muita manutenção,pode ser que as peças da crypton sejam um pouco mais caros,por ela ser nova e pelo mito que as peças da yamaha sejam mais caras,e nesse aspecto a biz pode ser sobre sair por estar mais tempo no mercado e facilidade de obter peças paralelas.

Compra e Venda a biz pode ter mais comércio pelo tempo de mercado,peças e o porta capacete,mas a crypton por enquanto se destaca no valor acessível e prazo de compra da  zero quilometro…é só umas questão de tempo para a crypton encostar e incomodar a concorrente ou não.

Roubo, a biz por ser da antiga e pela quantidade espalhada pelo brasil corre o risco de roubo,principalmente para alimentar o mercado negro de peças usadas,mas não se preocupe pois as scooters não teem muito valor para bandidos como as CG e superiores,e a crypton por ser “nova” vai ficar invisivel por alguns meses pelos ladrões.

Se você ainda estar na dúvida de qual sairá pilotando..basta se fazer essas perguntas para ir eliminando as duvidas.

-Qnto posso gastar e pagar?

-Qual eu mais gostei?

-Pra que irei usar a moto?

-Qnto eu peso?Sou muito alto?

se você for mais pesado ou igual ao peso da moto,nem compre ,ou ela pode te deixar na mão qndo precisar de força principalmente em subidas,e se for muito alto também pois ficará ridiculo, um gigante numa motinha.

mas é isso aí…boa escolha e divirta-se.

Materia : Juninhu

Equipe Acelera Mente

 

Que gasolina usar na moto: Comum, Aditivada ou a Podium?

Primeiro temos que saber o que é gasolina aditivada!A diferença da gasolina aditivada para a comum é o aditivo.

Se utilizarmos gasolina aditivada ou gasolina comum com um pouco de aditivo, desde que respeitando as proporções recomendadas, produz os mesmos efeitos.

Muitos se enganam ao afirmar que a gasolina aditivada produz um melhor rendimento do motor, isto não é verdade, isto pode ser um benefício derivado, não é um benefício direto.

O aditivo, que é basicamente um detergente, tem a função de manter o sistema de alimentação limpo, isto considerando o tanque, a linha de combustível e o(s) bico(s) injetor(es). Uma possível melhora no rendimento do motor pode acontecer por não estar ocorrendo problema de alimentação em função de obstruções no provimento de combustível para queima nos cilindros, não porque o combustível fica “melhor”.

Alguns confundem a gasolina Podium da Petrobrás com a aditivada. Até seria certo afirmar, pois ambas possui os mesmos aditivos, mas o que destaca na gasolina podium e torna o seu principal diferencial é o maior nível de octanagem, isto sim torna esta gasolina de maior poder de explosão e, por consequência, provê maior desempenho para o motor.

Octanagem é a capacidade que o combustível tem, em resistir a altas temperaturas na câmara de combustão, sem sofrer detonação.
 A detonação, também é conhecida como batida de pino, e pode destruir o motor.
Quanto maior a octanagem, maior será a resistência à detonação.
 O manual de cada veículo especifica o tipo de gasolina que possui a octanagem
mínima necessária ao bom funcionamento(desempenho)do mesmo,
 sem a ocorrência danosa da denotação.
Qualquer gasolina que possua octanagem maior que a mínima especificada
 poderá ser utilizada sem problemas.
 No Brasil, a octanagem é expressa em IAD = Índice Antidetonante
(a gasolina comum é especificada também pelo MON).
Quais são os métodos de determinação da octanagem ?
 Método MON (Motor Octane Number) ou método Motor - ASTM D2700.
 - avalia a resistência da gasolina à detonação, na situação em que o motor
está em plena carga e em alta rotação.
 Método RON (Research Octane Number) ou método Pesquisa - ASTM D2699
 - avalia a resistência da gasolina à detonação, na situação em que o motor
está carregado e em baixa rotação (até 3000 rpm)
 Alguns países utilizam a octanagem MON, RON,
e outros o Índice de Octanagem IAD (Índice Antidetonante) = (MON + RON)/2.
 Para uma mesma gasolina, o RON tem um valor típico superior ao MON de até 10 octanas.
Portanto, ao comparar gasolinas de deiferentes países é importante verificar
se está sendo utilizada a mesma base (MON, RON ou IAD). 
Uma gasolina com maior octanagem pode ser mais econômica?
Sim, nos carros que requerem gasolina com maior octanagem.
Nestes veículos, a utilização de uma gasolina de octanagem inferior irá aumentar o consumo,
 reduzir a potência disponível, podendo causar danos ao motor do veículo.

Como a função da gasolina aditivada é manter o sistema limpo, quando você não usá-la estará correndo risco de aparecer resíduos no sistema, que talvez não cheguem a ser removidos quando você retornar a usar aditivada. Portanto, não faz sentido, tecnicamente falando, fazer este rodízio de gasolina. É mais uma questão de custo-beneficio, ou seja, você pode tentar economizar um pouco usando gasolina comum, considerando que o risco de ter problemas com o sistema de injeção seja baixo. Como não temos como saber a verdadeira qualidade do combustível que entra no tanque de nossas motos, é difícil afirmar quando esta relação será boa ou não, mesmo utilizando somente gasolina aditivada, pois não saberemos se a gasolina aditivada foi adulterada ou se contém sujeira.

Por isso é bom sempre ficar de olho na cor da gasolina, e prestar atenção se a moto anda perdendo rendimento e principalmente saber qual o distribuidor  de combustível do posto onde você abastece e também se o posto é de boa procedência.
O recomendado para quem tem veículos com injeção eletrônica é usar gasolina aditivada,de preferência  sempre. Lógico que  é apenas uma recomendação, e não obrigação, nem sempre encontrará postos com gasolina aditivada para abastecer, principalmente em viagens.

Lembrando também que  mesmo você  só abastecendo com gasolina aditivada não é 100% garantido que você não terá problemas, pois mesmo em alguns postos e distribuidoras de combustíveis pode conter adulterações e sujeiras na gasolina que comprometem o motor.

eu  JUNINHU testei as gasolinas comum,aditivada(shell, petrobras, ipiranga e esso) e a podium da Petrobras na minha Honda Biz 125+ (injeção eletrônica).

E cheguei na seguinte conclusão em relação as gasolinas na biz.

gasolina comum original = normal – vel. max. 120km/h na decida.

gasolina aditivada = vel.max até 10km/h a mais que a comum,retomada otima.

gasolina podium =  vel. max. até 20 km/h a mais que a comum,retomada excelente,rende mais,quase não perde rendimento na subida.

de uma forma geral das gasolinas vista aqui para a biz compensa somente abastecer com aditiva ou podium…

Logico que a podium é bem mais cara que a aditivada…pelo menos no posto que abasteci com a podium ela chegou a ser 1 real mais cara que a a comum original…(podium=R$3,50litro)…se realmente fomos colocar isso na ponta do lapis e vermos a capacidade do tanque da biz iremos gastar no maximo uns 15 reais pra encher os 4 litros, podendo chegar no maximo aos 20 reais se enchermos o tanque até a boca.

Se a podium nao ficar acessivel para abastecer toda a vez, o ideal então seria colocar aditivada, pois ela é quase o mesmo preço que a comum,dando uma diferença maxima de uns 15 centavos por litro… pode ter certeza que para encher o tanque até a boca pode ficar de 12 a 15 reais.

Não existe vantagem nenhuma abastecer a biz com gasolina comum,sendo que com a aditivada é quase o preço da comum e tem diversos benefícios, e além das contas a diferença no bolso de quem irá abastecer com aditivada ao inves da comum não chega nem a 1 real.

Eu particularmente só utilizo gasolina aditivada e abasteço em posto de procedência, e sempre que possível tento abastecer com a podium nem que seja pelo menos 2 litros por mês .

Para motos com tanque  grande e carros as vezes compensa abastecer com gasolina comum e comprar o aditivo separado e ir colocando conforme o recomendado no vidrinho.

Vale a dica…

Faça o teste você também…

Por JUNINHU

Acelera Mente

Capacetes Diesel

Eu simplesmente fiquei besta na hora que me deparei com essas imagens deste capacete da Diesel.

Eu nem imaginava que a Diesel fazia capacetes, que eu saiba que ela é uma das marcas mais fortes no mercado de roupas, mas capacetes é uma novidades pra mim. Os capacetes que mais vejo e ouço falar que lembra os de piloto de caça eram os Peels F21 e Peels Mirage.

Então a Diesel mostra no próprio site este modelo que possui protetor de pescoço e interior removíveis e laváveis. Viseira do tipo “aviador”, anti-riscos e com proteção uv. Outro detalhe que chama a atenção, é um “moicano” feito em uma tira de couro. É uma ótima alternativa para ter mais estilo enquanto curte sua moto.

Os seus desenvolvedores sugerem que este tipo de capacetes deve ser usados para pilotar  Scooters e outras motos de pequeno porte,  é recomendado não usa-lo em grandes viagens porque não traz segurança eficaz na parte frontal(queixo).

Fonte: shock motors

Editado Por Junior

Equipe Acelera Mente