Arquivo

Archive for the ‘Acelera Carros’ Category

MV Agusta F3 Serie Oro e F4 RR Corsa Corta serão vendidas no Brasil

Os grandes destaques da MV Agusta no Salão de Milão (ITA), EICMA 2011, foram a esportiva F3 e a naked Brutale 675, ambas equipadas com motores de três cilindros em linha com 675 cc de capacidade cúbica. Mas nos bastidores da maior feira de motocicletas do mundo a marca de Varese e a brasileira Dafra anunciaram que a F3 Serie Oro e a F4 RR Corsa Corta serão importadas com preços de R$ 170 mil e R$ 150 mil, respectivamente. Ou seja, peças de colecionadores.

A F3 Serie Oro é limitada a 200 unidades

“Inicialmente começaríamos as importações apenas da Serie Oro, já que tínhamos alguns clientes brasileiros nos procurando para adquirir a motocicleta. Mas, também recebemos pedidos de interessados na F4 RR Corsa Corta. Por isso, decidimos comercializar ambos os modelos”, explica Marcus Vinícius S. Santos, gerente da MV Agusta Brasil, dizendo que os  modelos chegam ao país em fevereiro de 2012 em edições limitadas.

Com edição limitada em 200 unidades, a esportiva F3 Serie Oro está equipada com motor três cilindros de 675cc de capacidade pública, além de peças em fibra de carbono, suspensão e amortecedor de direção Öhlins, pinças dianteiras em monobloco, pedaleiras do piloto ajustáveis, banco em couro e placa de identificação em ouro, constando o número de série da motocicleta. Além disso, o novo proprietário da F3 Serie Oro recebe um kit especial, que remete aos três pistões do motor que a equipa, contendo a chave e o certificado de autenticidade. Preço: R$ 170 mil.

O certificado do proprietário da F3 Serie Oro foi inspirado no motor tricilíndrico que a equipa

Já a versão da supersportiva F4, a RR Corsa Corta conta com propulsor de quatro cilindros em linha, 16 válvulas e 998 cm3 de capacidade cúbica, que gera 201 cv a 13.400 rpm potência máxima de. Com esse desempenho, a F4 RR Corsa Corta é uma das poucas motocicletas do mundo a contar com um motor de mais 200 cv. O preço sugerido será de R$ 150 mil

Por Fabio Marquiseli

Editado Acelera Mente

Materia UOL Motos 

Acessem http://www.seligaregiao.com.br 

 

Anúncios

Fiat dita tom positivo para setor automotivo

A montadora italiana Fiat informou nesta quarta-feira que pode aumentar suas metas para este ano, definindo um tom positivo para o setor. O lucro do segundo trimestre da companhia superou expectativa depois que a empresa cortou custos e vendeu modelos mais modelos de preço maior.

A Fiat, que tem 20% da norte-americana Chrysler, também está prosseguindo com o plano para separar a divisão automotiva do restante das atividades industriais do grupo, com financiamento de 4 bilhões de euros e data para aprovação pelos acionistas.

A companhia é a primeira montadora europeia a divulgar resultados trimestrais. Analistas gostaram dos resultados, mas se mostraram preocupados com o restante do ano.

“O primeiro semestre foi o melhor dos mundos para as grandes montadoras europeias. Agora está ficando mais difícil, agora que os volumes estão caindo, vai ficar mais difícil segurar os preços”, disse Arndt Ellinghorst, analista do Credit Suisse.

Incentivos governamentais europeus para a troca de carros velhos por novos ajudaram as montadoras durante a crise financeira internacional, mas os programas de estímulo estão acabando e os investidores querem saber o quão sólida será a recuperação na demanda por veículos.

A Fiat informou que o lucro antes de juros, impostos e eventos não recorrentes do trimestre passado subiu para 651 milhões de euros (US$ 841 milhões), ante 310 milhões de euros um ano antes. A receita líquida avançou 12,5%, para 14,8 bilhões.

A estimativa média do mercado para o lucro era de ganho de 380 milhões de euros, segundo previsões divulgadas pela Fiat.

A montadora informou que a forte performance deveu-se a “significativa melhora na margem para 4,4%, atribuída a volumes maiores, melhor conjunto de vendas e ganhos com medidas de contenção de custos”.

Alguns analistas alertaram que a maior parte da força do desempenho do grupo foi produzida pela divisão de máquinas e equipamentos agrícolas e de construção CNH.

“Foi a CNH. Foi 100 por cento puxado pela CNH”, afirmou Ellinghorst, do Credit Suisse.

A CNH será separada das divisões automotivas na separação do grupo para Fiat Industrial. O presidente-executivo da Fiat, Sergio Marchionne, quer melhorar a avaliação de ambas as atividades pelo mercado. A separação está marcada para 1o de janeiro de 2011 e uma data provisória de 16 de setembro foi marcada para os acionistas aprovarem a operação

A montadora italiana Fiat informou nesta quarta-feira que pode aumentar suas metas para este ano, definindo um tom positivo para o setor. O lucro do segundo trimestre da companhia superou expectativa depois que a empresa cortou custos e vendeu modelos mais modelos de preço maior.

A Fiat, que tem 20% da norte-americana Chrysler, também está prosseguindo com o plano para separar a divisão automotiva do restante das atividades industriais do grupo, com financiamento de 4 bilhões de euros e data para aprovação pelos acionistas.

A companhia é a primeira montadora europeia a divulgar resultados trimestrais. Analistas gostaram dos resultados, mas se mostraram preocupados com o restante do ano.

“O primeiro semestre foi o melhor dos mundos para as grandes montadoras europeias. Agora está ficando mais difícil, agora que os volumes estão caindo, vai ficar mais difícil segurar os preços”, disse Arndt Ellinghorst, analista do Credit Suisse.

Incentivos governamentais europeus para a troca de carros velhos por novos ajudaram as montadoras durante a crise financeira internacional, mas os programas de estímulo estão acabando e os investidores querem saber o quão sólida será a recuperação na demanda por veículos.

A Fiat informou que o lucro antes de juros, impostos e eventos não recorrentes do trimestre passado subiu para 651 milhões de euros (US$ 841 milhões), ante 310 milhões de euros um ano antes. A receita líquida avançou 12,5%, para 14,8 bilhões.

A estimativa média do mercado para o lucro era de ganho de 380 milhões de euros, segundo previsões divulgadas pela Fiat.

A montadora informou que a forte performance deveu-se a “significativa melhora na margem para 4,4%, atribuída a volumes maiores, melhor conjunto de vendas e ganhos com medidas de contenção de custos”.

Alguns analistas alertaram que a maior parte da força do desempenho do grupo foi produzida pela divisão de máquinas e equipamentos agrícolas e de construção CNH.

“Foi a CNH. Foi 100 por cento puxado pela CNH”, afirmou Ellinghorst, do Credit Suisse.

A CNH será separada das divisões automotivas na separação do grupo para Fiat Industrial. O presidente-executivo da Fiat, Sergio Marchionne, quer melhorar a avaliação de ambas as atividades pelo mercado. A separação está marcada para 1o de janeiro de 2011 e uma data provisória de 16 de setembro foi marcada para os acionistas aprovarem a operação

Por Portal UOl

Editado Por Fabio Weslley

Equipe Acelera Mente