Arquivo

Posts Tagged ‘CB Unicorn 150 Dazzler’

Yamaha XT1200Z Super Ténéré 2010

Quem curtia motocicletas já na década de 80 certamente se lembra dos históricos modelos Ténéré e Super Ténéré, com seus tanques enormes, baseados nos protótipos da Yamaha que disputavam o Rally Paris – Dakar na época. Despertando estranhamento ou paixão, os modelos se tornaram muito populares no mundo inteiro, principalmente entre aqueles que gostavam de percorrer longas distâncias, aproveitando a grande autonomia e confiabilidade desta linha que se tornou um clássico.
Quando a Yamaha tirou de linha a XTZ 750 Superténéré, em 1998, deixou uma legião de fãs desolados. Agora, em 2010, a montadora japonesa relança sua “Big Trail”, que estará disponível na Europa a partir de maio deste ano, com um novo motor com nada menos que 1200cc! A notícia ruim é que esta moto, a princípio, estará disponível apenas para o mercado europeu e australiano. No momento não há previsão nem de que seja lançada por aqui.

Lembrando sua antecessora apenas no tamanho do tanque, a nova XT1200Z Super Ténéré foi totalmente reestilizada e conta com o que há de mais moderno na engenharia motociclística atual. A Yamaha define que sua nova estrela foi desenvolvida sob o conceito de “Máquina Definitiva para uma Aventura Intercontinental”. Ela herda os ideais de desenvolvimento da Ténéré que arrebatou muitos fãs nas décadas de 80 e 90, depois de conquistar muitas vitórias no Dakar. A montadora afirma que o novo modelo alcançou alto equilíbrio das qualidades mais desejados pelos pilotos em uma aventura de longa distância, incluindo boa performance em estradas não pavimentadas, além de leveza e agilidade nas curvas.

novo motor de dois cilindros em linha com 1200cc e 110 cavalos, traz novas soluções como o radiador montado na lateral, auxiliando na centralização do peso. Mas não é só isso, outras maravilhas modernas acompanham o relançamento do modelo como, controle de tração desenvolvido pela equipe Yamaha Moto GP, sistema D-MODE, que permite ao usuário escolher entre dois tipos de performance, freios ABS e sistema unificado que faz o balanceamento dos freios dianteiro e traseiro, na hora da frenagem.

Outras novas características do modelo são o novo quadro totalmente redesenhado, sistema de escape compacto com catalizador, transmissão por eixo cardã, suspensões traseira e dianteira reguláveis, altura do banco ajustável, entre muitas outras inovações

Por Acelera Mente

Editado Por Fabio Weslley

Equipe Acelera Mente

Anúncios
Categorias:Acelera Mente Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Honda 125cc bate recorde de consumo

 

A moto em questão não é um protótipo da marca ou foi criada por um preparador famoso, ela é simplesmente fruto da criatividade de um usuário que se dispôs a comprar um Innova 125 – semelhante a Honda Biz 125 comercializada no Brasil – e, em seguida, criou uma “carroceria” de fibra de vidro para minimizar o arrasto.

A 125 Innova não é uma unidade de grande potência e sua velocidade máxima é de apenas 120 km/h, mas, a fim de reduzir o consumo, também foi necessário diminuir a velocidade de cruzeiro para 100 km/h.  Com isso, em conjunto com a forma de “ovo” da carenagem, foi possível marcar um novo recorde de consumo, alcançando a marca de 85km/l, que graças ao seu pequeno tanque de gasolina de 3,7 litros, seria possível uma autonomia de 315 km.

Como sempre, estes números devem ser vistos com cuidado, pois eles foram feitos ao nível do mar, deve-se levar em consideração outros fatores como o vento cruzado, frenagem e aceleração, entre outros. O destaque foi  a criatividade do usuário para criar uma carroceria deste tipo, que não deve ser a mais cômoda para enfrentar o calor da cidade e muito menos uma estrada, devido à baixa velocidade da moto. 

Por Portal UOL

Editado Por Fabio Weslley

Equipe Acelera Mente

Teste Comparativo: Honda CG 150 Titan contra Yamaha YBR 125 Factor

 

Além da capacidade do motor, ambas se diferenciam ao primeiro olhar. A Factor encanta com seu visual esportivo e street, ressaltado pelas rodas de liga leve, disponíveis na versão ED, lembrando muito sua irmã maior YS 250 Fazer. Entre alguns motociclistas, ganhou o apelido de “mini-Fazer”. Já a rival da Honda resolveu inovar no design, com uma carenagem no farol que não agradou a todos. Inédito no Brasil, o novo desenho já recebeu alguns apelidos e muitas críticas.
Gosto à parte, ambas são as motos mais vendidas das respectivas marcas. Já no ranking de emplacamentos, a CG 150 lidera, enquanto a 125 da Yamaha ocupa a quarta posição entre as mais vendidas.
Quando o quesito é praticidade para transportar pequenos objetos, ambas se equivalem. A Honda Titan 150 conta com um gancho metálico próximo aos amortecedores traseiros. A YBR Factor também traz ganchos na alça da garupa, com o mesmo propósito. No teste prático, ambas levaram um capacete fechado no banco destinado ao carona somente com a “aranha” de fixação.
Já nos punhos de comando as rivais são contrastantes. Na Yamaha eles são semelhantes aos da sua irmã maior, a YS Fazer 250, com lampejador de farol e corta-corrente. Os comandos da Titan pararam no tempo. Os dois itens citados na concorrente inexistem na Honda, e o restante é praticamente igual ao que trazia a CG 125 Titan de 2000, exceto pela falta do botão liga/desliga do farol (agora acionado automaticamente ao se ligar o motor).

SUSPENSÕES E MOTORES

Em relação ao conforto, as suspensões — ambas de garfo telescópico na dianteira e duplo amortecedor na traseira — funcionam muito bem nas duas motocicletas, com vantagem para a Yamaha pela suavidade. Contra a marca dos três diapasões está o banco da YBR. Com uma espuma muito mole, cansa o piloto após longo tempo pilotando. No caso da Titan 150, o banco foi redesenhado e tem uma espuma mais densa e confortável.
A concepção dos motores é o grande diferencial dessas motos urbanas. As concorrentes já atendem ao Promot 3 (lei de controle de emissão de poluentes) e utilizam soluções diferentes para cumprirem a norma. A Honda inovou ao equipar sua campeã de vendas com injeção eletrônica de combustível, além de sensor de oxigênio e catalisador. A YBR 125 Factor teve seu carburador remodelado, ganhou sensor de “cut-off”, acionamento do segundo estágio a vácuo e sensor de posição do acelerador. Com essas soluções, a Factor consegue um resultado semelhante a um motor injetado, cortando o envio de combustível quando o acelerador não é acionado com a moto em movimento.
Tantas inovações têm seu preço. Os números de potência e torque reduziram na YBR; na Honda a potência continua a mesma da CG 150 carburada (a 500 rotações acima) e o par máximo diminuiu. Falando abertamente, a YBR sofre pela falta dos 25 cm³ em relação à Titan e também com as novas regras de emissão de poluentes, que obrigaram a Yamaha a instalar dois catalisadores no escapamento, deixando a Factor um tanto “amarrada”.
Nas estradas, onde a Yamaha anda “esgoelada”, ainda sobra acelerador na CG. Isso se traduz em um consumo mais alto. Rodando com ambas conseguimos médias acima de 40 km/l pilotando a CG e com a rival as médias obtidas ficaram entre 33 e 35 km/l. Ao se falar em consumo, não podemos deixar escapar o grave calcanhar-de-aquiles da nova Titan. Ela não tem torneirinha de combustível e nem luz indicadora de reserva — há somente o marcador de gasolina. Portanto, um motociclista mais distraído pode ficar a pé se não ficar atento ao nível.
Já na rival, equipada com a torneirinha de combustível, ainda há chances de chegar ao próximo posto para abastecer ao se abrir a reserva. Um item bastante útil para os distraídos.

IMPRESSÕES AO PILOTAR

Tanto YBR Factor e CG 150 Titan são ótimas motos para se pilotar na cidade: estáveis, ágeis e confortáveis. Porém, a maciez do conjunto motor/câmbio/freios e suspensões da Yamaha acaba sendo ofuscada pelo maior vigor do motor da Titan, que exige menos trocas de marchas e permite ao piloto rodar com o acelerador menos aberto.
Na hora de frear, as motocicletas apresentam freio a disco na roda dianteira (de pistão simples na Factor e duplo na Titan) e a tambor na traseira. A 125 da Yamaha mostrou reações melhores, enquanto a rival apresentou um acionamento um pouco mais “borrachudo”.
Nos trechos de curvas, vantagem novamente para o modelo Yamaha. A versão ED testada sai de fábrica com rodas de liga-leve calçadas com pneus Metzeler ME 22, sem câmara e de perfil esportivo. Itens que fazem dela uma das motos mais completas da categoria. Já a Honda peca por não equipar a CG top de linha com rodas de liga e pneus sem câmara. Suas rodas raiadas e os pneus Pirelli City Demon são de boa qualidade e dão conta do recado — mas, como se trata de modelo top e de preço mais elevado, bem que a Titan 150 poderia ter rodas mais bonitas

QUANTO CUSTAM

Por falar em preço, esse é um item muito importante nessa categoria de motos urbanas de baixa cilindrada. Se compararmos os valores divulgados pelas fábricas, a diferença entre Titan e Factor é de pouco mais de R$ 500. Porém, o preço praticado nas concessionárias das marcas na capital paulista dobra essa diferença.
Ao consultarmos as concessionárias, constatamos que a Factor apresenta larga vantagem. O valor médio cobrado pela Yamaha YBR 125 Factor ED é de R$ 6.800, enquanto a concorrente Honda CG 150 Titan está sendo vendida a R$ 7.900. Uma diferença de quase 15%, que significa parcelas mais baixas no financiamento — ou ainda uma economia para comprar equipamentos de segurança.

Fichas Técnicas

 Honda CG 150 Titan ESD

Motor: monocilíndrico, 149,2 cm³, duas válvulas por cilindro e refrigerado a ar

Diâmetro x curso: 57,3 mm x 57,84 mm

Taxa de Compressão: 9,5: 1

Potência máxima: 14,2 cv a 8.500 rpm

Torque máximo: 1,32 kgfm a 7.000 rpm

Alimentação: Injeção eletrônica PGM-FI

Câmbio: 5 marchas

Transmissão: corrente

Comprimento: 1.988 mm

Largura: 730 mm

Altura: 1.098 mm

Altura do banco: 792 mm

Distância entre eixos: 1.315 mm

Peso (a seco): 119,4 kg (versão ESD)

Tanque de gasolina: 16,1 litros

Quadro: Diamond

Suspensões: Garfo telescópico na dianteira e duplo amortecedor na traseira

Pneus: Pirelli City Demon 80/100-18 (dianteiro) e 90/90-18 (traseiro)

Freios: Disco simples de 240 mm de diâmetro com cáliper de dois pistões na dianteira (versão ESD) e tambor de 130 mm na traseira

Cores: azul metálica, prata metálica, vermelha e preta

Preço sugerido: R$ 6.990 (versão ESD)
 

Yamaha YBR 125 Factor

Motor: Monocilíndrico, 124,9 cm³ duas válvulas por cilindro, refrigerado a ar

Diâmetro x curso: 54,0 mm x 54,0 mm

Taxa de compressão: 10,0:1

Potência máxima: 11,2 cv a 8.000 rpm

Torque máximo: 1,13 kgfm a 6.000 rpm

Alimentação: Carburador Mikuni BS 25

Câmbio: 5 velocidades

Transmissão: Corrente

Comprimento: 1.980 mm

Largura: 760 mm

Altura: 1.080 mm

Altura do banco: 780 mm

Distância entre eixos: 1.290 mm

Peso (a seco): 112 kg (versão ED)

Tanque de gasolina: 13 litros

Quadro: Diamond em aço

Suspensões: Garfo telescópico com 120 mm de curso na dianteira e duplo amortecedor com 105 mm de curso na traseira

Pneus: 2.75-18 42 P Metzeler ME 22 (dianteiro) e 90/90-18 42 P Metzeler ME 22 (traseiro)

Freios: Disco simples de 245 mm na roda dianteira com cáliper de pistão simples e tambor de 130 mm de diâmetro na traseira

Cores: Azul, prata, preta e vermelha

Preço sugerido: R$ 6.585

 

Por Motokando

Editado Por Fabio Weslley

Equipe Acelera Mente

Husaberg lança motocicleta 2T de 250 e 300cc!

Até pouco tempo parecia impossível, mas aconteceu! A Husaberg é uma fabricante da Suécia, que tradicionalmente produz motocicletas de competição off-road, sempre quatro tempos. Entretanto, para a linha 2011 a Husaberg apresentou dois novos modelos, com altas tecnologias de ponta, utilizando motores dois tempos. A justificativa da empresa seria a alta performance para competições extremas e o baixo custo de manutenção.

As motocicletas apresentadas foram as TE 250 e TE 300, ambas para utilização em enduro. Contam com avançado sistema de escapamento, que possui válvula de escape com acionamento centrípeto, e um inovador sistema de ajuste do ponto de ignição, possibilitando ao piloto, através de um comando no punho do guidon, alterar as características de performance do motor.

Sob medida para a dura competição da classe mais competitiva no esporte de enduro, o E2.  O motor picante e extremamente poderoso dois tempos revela seus pontos fortes, acima de tudo, quando o pesado quatro tempos realmente começar a suar. As únicas coisas que contam são, então, o peso, poder de permanência, a entrega de potência suave e manipulação lúdica.

Não podemos esquecer que a Husaberg agora faz parte do grupo KTM, que tem investido muito nos motores dois tempos.

Este é o segundo motor dois tempos revolucionário que é apresentado em menos de um ano, primeiramente foi o OSSA de 280 cilindradas, injetado. Agora é este surpreendente motor da Husaberg. Parece provável que em pouco tempo teremos um motor dois tempos de 250 cilindradas homologado para rodas nas ruas. É esperar para ver.

Por motokando

Editado Por Italo Luna

Equipe Acelera Mente

Categorias:motos Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Casey Stoner troca Ducati por Honda

Piloto ex-campeão do mundo correrá a temporada 2011 pela equipe da asa

A “dança das cadeiras”no Mundial de MotoGP teve seu início na temporada. Nesta sexta-feira (10), a HRC (Honda Racing Team) anunciou que contará com os serviços de Casey Stoner em 2011. Assim, os boatos de que o australiano sairia da Ducati estão confirmados, deixando uma vaga em aberto na equipe. Desse modo, a possibilidade de Valentino Rossi corer a próxima temporada pela Ducati aumenta ainda mais.pilotos atual: Dani Pedrosa e Andrea Divizioso.

Em sua despedida da Ducati, Stoner quis agradecer muito os quatro anos de convívio com a equipe, que lhe renderam um campeonato Mundial em 2007. Os elogios foram retribuídos pela equipe italiana, que não poupou agradecimentos a Stoner. Por outro lado, a Honda mostrou-se muito contente em ter Stoner, mas, sem deixar de ressaltar a importância da dupla de

A equipe da asa disse que pretende manter os dois para a próxima temporada, o que, de acordo com boatos, indicam a ideia da Honda de ter três máquinas no grid. Será? 

Por motociclismo

Editado Por Italo Luna

Equipe Acelera Mente

Categorias:motos Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Kawasaki testa a nova Ninja ZX 10R em Suzuka

A Kawasaki está preparando uma nova Ninja ZX 10R, o teste está sendo realizados em Suzuka durante os dias 7 e 8 de julho (2010), confira as fotos do primeiro dia de teste. A versão em teste é uma Ninja preparada para atender às especificações do Mundial de Superbikes. O primeiro dia foi bem sucedido e foram alcaçados ótimos resultados.

Por motokando

Editado Por Italo Luna

Equipe Acelera Mente

Categorias:motos Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Vendas crescem 13% no 2º trimestre de 2010

Abraciclo divulga dados positivos do ano; junho teve baixa de 16%

O mercado brasileiro de motocicletas vem demonstrando reação em 2010, com números positivos. A Abraciclo — Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares — divulgou, nesta quarta-feira (7), o fechamento dos números no 2º trimestre do ano.  Apesar de junho ter apresentado queda de 16% no número vendas no atacado, em relação a maio, os últimos três meses apresentaram avanço de 13%, comparando com o trimestre inicial de 2010.motocicletas no trimestre seguinte. Assim, nos 6 meses iniciais deste ano, 872.824 unidades foram comercializadas, contra 788.626 do mesmo período de 2009. “O setor vem se recuperando das quedas sofridas no ano passado, mas é uma evolução gradativa. Ainda sentimos muitos reflexos causados pela rigidez e dificuldade na liberação de financiamentos, que permanecem mas acreditamos que o reaquecimento do mercado será constante e que teremos um 2º semestre promissor”, afirma Jaime Teruo Matsui, presidente da Abraciclo.

De janeiro a março, o setor faturou para o mercado interno 410.095, contra 462.729

Por Motociclismo

Editado Por Italo Luna

Equipe Acelera Mente

Categorias:motos Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,